54 8128.5277 redacao@noticiasdebento.com.br

Inquérito sobre suposta compra de emendas vai seguir em sigilo

Decisão foi tomada pela Promotoria após mais de 3 horas de depoimento do vereador Gustavo Sperotto. Prefeitura vai pedir desarquivamento do Plano Diretor.

15 Mai. 2018 às 16:31

O Ministério Público decidiu continuar a investigação sob a suposta compra de emendas parlamentares na Câmara de Vereadores de forma sigilosa. A decisão foi tomada após o vereador Gustavo Sperotto (DEM) prestar mais de 3 horas de depoimento aos promotores Elcio Resmini Meneses e Alécio Nogueira.

De acordo com o promotor Alécio Nogueira, foi acertado com o vereador para que ele não se pronuncie a imprensa e outras pessoas sobre o que foi dito em seu depoimento. Com isso, a partir de agora, o inquérito correrá de forma sigilosa, a fim de não prejudicar o andamento da apuração dos fatos. De certo apenas que os promotores vão ouvir mais pessoas e o inquérito vai continuar. "Não vamos dar detalhes do andamento do inquérito daqui pra frente", finalizou o promotor.

CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL NO YOUTUBE. É RÁPIDO E FÁCIL!!!

Plano Diretor deve ser desarquivado na Câmara

Por outro lado, ainda nesta semana a Prefeitura Municipal deve solicitar à Câmara de Vereadores o desarquivamento do projeto do Plano Diretor. A ideia é colocar o projeto em votação ainda no mês de maio.  Em relação a esta decisão do poder público, o promotor Alécio Nogueira afirma que vê com bons olhos a questão. "É bom que o projeto seja desarquivado para vermos se a emenda proposta anteriormente será colocada novamente ou se teremos outras que possam trazer benefícios diretamente a um grupo ou para algum setor na cidade", destaca Nogueira.


Fotos: Divulgação

MAIS NOTÍCIAS

Ministério Público aponta irregularidades nas contas de 2015 de Guilherme Pasin
Site da Câmara é destaque em ranking da transparência do TCE
Sine oferece 52 vagas de trabalho nesta semana
Geração de empregos em Bento continua em crescimento
Afastamento do vereador Gustavo Sperotto da Comissão de Ética vai à votação