54 8128.5277 redacao@noticiasdebento.com.br

Mandados de busca e apreensão do MP respaldam suspensão da CPI

Promotoria confirmou que existe uma medida cautelar na 2ª Vara Criminal, onde foi autorizada a apreensão de objetos nas casas e gabinetes de quatro vereadores da Câmara.

12 Jun. 2018 às 09:55

Os mandados de busca e apreensão nos gabinetes e nas casas de quatro vereadores da Câmara são o principal fator que embasa a decisão do presidente da Câmara, Moisés Scussel Neto (PSDB) de suspender a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Legislativo. A informação foi confirmada pelo Promotor Alécio Nogueira, que garantiu existir uma medida cautelar na 2ª Vara Criminal, onde foram solicitados os mandados.

De acordo com o promotor, os mandados de busca e apreensão nas casas e nos gabinetes dos vereadores Volnei Cristófoli e Rafael Pasqualotto (ambos do PP), Moisés Scussel Neto (PSDB) e Marcos Barbosa (PRB) foram autorizados pela justiça, configurando o processo  005/2.18.0002784-6 — CNJ 0005986-31.2018.8.21.00. Com isso, os agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público (GAECO) ficaram autorizados a apreender telefones, smartphones, tablets e notebooks, de uso pessoal ou funcional, bem como qualquer  espécie de mídia (arquivos eletrônicos em HD, disquetes, pendrive, etc), dinheiro sem procedência, armas, manuscritos e documentos relacionados a pagamentos, recebimento ou oferecimento de valores ou que tenham relação com a prática delituosos, bem como impressos constando comprovantes de transferências bancárias, recibos, e-mails e outros similares envolvendo os fatos, além de qualquer documento ou objeto relacionado à investigação.

Alécio Nogueira confirmou ainda que recebeu um ofício do presidente da Câmara, Moisés Scussel Neto, solicitando informações sobre a existência de investigação/inquérito sobre o assunto e o eventual caráter de sigilo eventualmente conferido. De posse de todas essas informações, o presidente da Câmara optou pela suspensão da CPI, já que, além da medida cautelar, que determinou o cumprimento de mandados de busca e apreensão, todas as pessoas que prestaram depoimento no Ministério Público não poderiam prestar esclarecimentos à CPI, pois estão comprometidas pelo sigilo do processo.

Com base nestas alegações e na existência de uma medida cautelar na 2ª Vara Criminal, mesmo que os vereadores que assinaram a CPI queiram entrar com um pedido de liminar na justiça, dificilmente terão sucesso na reversão do caso. 

Fotos: divulgação

MAIS NOTÍCIAS

Bento Gonçalves será sede do II Congresso Estadual de Direito Eleitoral
Bento sedia Fórum Nacional de Tecnologia na Segurança Pública
Câmara aguarda presença de vereador para explicar imagem nua de assessora
Merendeira representa Bento em reality show nacional
Vereadores aprovam Plano Diretor com poucas emendas