×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaVídeosEmpresas e EntidadesBairrosCulturaVariedadesEleiçõesBrasil

Empresa de consultoria fará estudo sobre licitação do transporte coletivo

Prefeitura vai gastar cerca de R$ 70 mil para empresa embasar as necessidades de novas linhas no município em um novo processo licitatório.

17/12/2019 07:04

Linhas e itinerários defasados e a falta de cobrança de uma maior eficiência das empresas de ônibus são alguns dos problemas latentes na concessão do transporte coletivo em Bento Gonçalves. Em busca de uma alternativa para este problema tão antigo, a prefeitura tenta desenterrar o processo licitatório para abrir novas linhas na Capital do Vinho. Mas, antes de qualquer licitação, um estudo será realizado para que a licitação seja mesmo eficiente.

De acordo com reportagem do Jornal Pioneiro, assinada pela jornalista Flávia Noal, uma empresa especializada fará um estudo para embasar a nova licitação do transporte coletivo de Bento Gonçalves. A prefeitura contratou a Consultoria em Planejamento Urbano Sociedade Simples pelo valor aproximado de R$ 70 mil. Atualmente, o município tem duas empresas atuando por meio de contrato precário, ou seja, sem passar por licitação.

A prefeitura pretende lançar no ano que vem o edital para concessão do serviço. Antes disso, quer ter em mãos os estudos de viabilidade técnica, operacional e econômico-financeira para o serviço. O prazo para a conclusão destes estudos é de quatro meses. Conforme o secretário de Gestão Integrada e Mobilidade Urbana, Gilberto Rosa, serão apontadas demandas de linhas e abrigos, além de trazer uma contabilidade atualizada do número de usuários. "O último estudo é de 2010 ou 2011. De lá para cá, o contingente e o perfil populacionais são outros", revela o secretário.

O secretário adianta que já recebeu demandas de aumento de linhas e horários em comunidades do interior, como São Valentim, Faria Lemos, Veríssimo de Matos e Tuiuty. O estudo deve determinar se há realmente esta necessidade e como atendê-la.

Outro apontamento da população, conforme o secretário, é a integração da tarifa do transporte. Gilberto Rosa explica que a empresa contratada deve apontar uma solução para esta situação. Uma das possibilidades é a cobrança de metade da tarifa no segundo embarque.

Além disso, os usuários reclamam da escassez de horários de ônibus nos bairros e a dificuldade em ter coletivos trafegando depois das 22h. O levantamento mais recente disponível aponta que 5,8 milhões passageiros usaram o transporte coletivo em Bento em 2018.  Hoje, a passagem custa R$ 3,90. 


Fotos: Divulgação - Fonte: Divulgação