×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaBairrosCulturaVídeosEmpresas e Entidades

Coluna De Fato é Fato Nº 3 - O avanço do Aliança pelo Brasil em Bento

Apoiadores de Jair Bolsonaro colocaram base para receber adesões ao partido e são considerados referência nacional no modelo.

17/02/2020 10:13

O avanço do Aliança Pelo Brasil em Bento

Ninguém parece estar dando muita bola, mas, de forma silenciosa os apoiadores ao Aliança Pelo Brasil, futuro partido do presidente Jair Bolsonaro, vem crescendo em Bento Gonçalves. Ainda não se sabe oficialmente se o partido conseguirá as 492 mil assinaturas necessárias para que possa colocar candidatos nas eleições municipais, mas a mobilização na Capital do Vinho não é pequena. No fim de semana, Volmar Giordani e um grupo de simpatizantes de Bolsonaro participaram de evento do futuro partido em Porto Alegre. Lá, receberam destaque pelo trabalho de mobilização que estão realizando por aqui. "Temos em média 40 novas adesões autenticadas por dia, fora as folhas que estão circulando nas empresas e as pessoas que estão fazendo direto no site", destacou Giordani. Vale lembrar que nas eleições para presidente, Bolsonaro fez 81% dos votos válidos em Bento Gonçalves.  O grupo de apoiadores trabalha com o objetivo de lançar candidatos a prefeito e vereador neste ano. É esperar para ver o barulho que vão fazer.

A volta de César Gabardo

Dizem que quem prova da cachaça chamada política uma vez, não larga nunca mais. Talvez este ditado sirva para o empresário e advogado César Gabardo. Atualmente sem partido, a coluna apurou que Gabardo está namorando com PDT e PTB para voltar ao cenário político de Bento Gonçalves. A decisão deve ser tomada até o final deste mês. Agora, fica a pergunta: Gabardo seria candidato a quê? A vereador, muito difícil. A prefeito, em chapa pura, talvez. Mas, quem sabe, um candidato a vice em uma composição partidária? No que você apostaria, opção A, B ou C?

Renovação nas eleições

A sessão da Câmara de Vereadores na segunda-feira, 10, foi de manifestação contrária de alguns vereadores que usaram a tribuna para falar sobre o tema: Não reeleja ninguém em Bento. A discussão toma conta das redes sociais, porém, os vereadores que estão na Câmara (já que para prefeito a renovação é obrigatória, pois Pasin não pode mais concorrer) não devem se preocupar com as manifestações, que são legítimas e válidas. Cada vereador sabe o que fez por sua comunidade nestes três anos e alguns meses de mandato. Aquele que captou recursos, pediu melhorias para as localidades que representava, tem que estar tranquilo e apresentar o seu trabalho ao seu eleitor que estiver reclamando. A melhor resposta a uma crítica, é o trabalho realizado.

Será que o PP vai deixar o PSDB indicar candidato?

Fala-se muito à boca pequena que PP (ou Progressistas) e PSDB teriam um acordo de cavalheiros para que, após a reeleição de Guilherme Pasin, o partido tucano indicaria o candidato a prefeito. O PSDB prepara alguns nomes como possíveis pré-candidatos. Vamos a eles: 1) O atual vice, Aido Bertuol. Tem muito carisma junto à comunidade, mas alguns membros do partido acham que ele não está preparado para enfrentar debates e a guerra digital que será travada nesta eleição. 2) O secretário de Saúde, Diogo Segabinazzi Siqueira. É considerado o mais preparado para o desafio, porém, o fato de ter sido prefeito de Santa Tereza, tem pesado contra ele. A dúvida é, se como "forasteiro", conseguiria atrair o voto dos bento-gonçalvenses. 3) O ficha 3 seria Gilmar Pessutto. Alguns integrantes do partido acham um ótimo nome, porém, desconfiam do tamanho do poder de voto que o vereador teria em uma eleição majoritária. Porém, nisso tudo, algumas perguntas precisam ser feitas e, até o momento, não há respostas. Será que o PP vai cumprir o tal acordo de cavalheiros? Será que vai aceitar indicar o vice e perder as rédeas de comando da cidade? É esperar para ver. 

Fotos: Divulgação - Fonte: Marcelo Dargelio