×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaVídeosEmpresas e EntidadesBairrosCulturaVariedadesEleiçõesBrasil

ENERGIA EÓLICA: Conselho do Meio Ambiente discute critérios para exploração no RS

Uma consulta pública sobre o tema foi aberta nesta semana, permitindo que, ao longo dos próximos dias, a população apresente sugestões para o projeto que dará origem à regulamentação do modelo em território gaúcho. Saiba como participar:

09/09/2020 10:59

O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema) abriu na última terça-feira, dia 8, uma consulta pública sobre a resolução que dispõe a respeito dos procedimentos e critérios para instalação e licenciamento ambiental da atividade de geração de energia a partir de fonte eólica no Rio Grande do Sul. A minuta está disponível no site da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema), e a consulta ficará aberta por dez dias.

Para conferir o documento e participar, basta clicar neste link. “Estamos começando a entregar aquilo que nos propusemos a realizar no plano de governo. Essa consulta é a primeira realizada sob a luz do novo Código Ambiental sancionado em janeiro pelo governador Eduardo Leite e que propôs, entre outras coisas, maior participação da sociedade em questões ambientais por meio do Consema”, enfatiza o secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior.

A minuta foi elaborada com a participação de sociedade civil, governo, universidades e organizações não governamentais (ONGs), a partir da colaboração das entidades que fazem parte do Consema por meio de seus representantes, e por técnicos e especialistas que integram a Câmara Técnica de Biodiversidade. A lista completa das entidades que constituem o Conselho pode ser acessada clicando aqui. "O texto foi construído com a participação dos representantes da sociedade e agora estamos ampliando a participação da comunidade interessada, para que todos tenham a oportunidade de enviar sugestões e colaborar com o documento final”, explica o presidente do Consema, Paulo Pereira.

Também colaboraram integrantes do Grupo de Trabalho (GT) de Energia Eólica, formado por Sema, Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Federação das Associação de Municípios do Rio grande do Sul (Famurs), Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco), Sociedade de Engenharia do RS (Sergs), União Protetora do Ambiente Natural (Upan) e Sindicato da Indústria da Energia (Sindienergia).

Conselheiro do Consema pela Upan e integrante do GT, Israel Fick reforça a importância da participação das ONGs na construção da minuta, para trazer o ponto de vista da conservação ambiental considerando a questão da sustentabilidade e do desenvolvimento. Fick acrescenta que a participação da Upan foi focada na objetividade do documento a fim de dar mais clareza principalmente quanto aos critérios que determinam o tipo de licenciamento, eliminando as subjetividades e contribuindo para que prevaleçam os pontos que tecnicamente são essenciais para fazer esse tipo de avaliação.  “Sempre com o olhar ambiental e técnico sobre dispositivos legais da política de meio ambiente, de forma a atender principalmente os anseios do setor da sociedade que se preocupa com o bem-estar da sociedade e do meio ambiente”, ressalta.

De acordo com o presidente do Sindienergia, Guilherme Sari, o objetivo da parceria com instituições como Fiergs, Farsul e Famurs é construir uma resolução e um licenciamento com regras claras, para dar segurança jurídica tanto para o técnico que está licenciando quanto para o empreendedor. "Promovendo, de fato, um ambiente favorável de negócios em que o investidor diga: 'tem como investir no Rio Grande do Sul'”, aponta.

As considerações enviadas pela população serão analisadas pelo Consema e poderão ser adotadas na resolução. A realização de consulta pública está prevista no atual Código Estadual de Meio Ambiente, Lei 15.434 (art. 229), e é um instrumento de apoio à tomada de decisão por meio da consulta prévia da sociedade mediante o envio de contribuições, sugestões ou críticas. São objetos de consulta pública, antes da publicação pelo Consema e pelos órgãos de fiscalização ambiental, a criação ou alteração de atos normativos que imponham obrigações de ordem técnica às atividades sujeitas a licenciamento ambiental.

Fotos: - Fonte: Governo do Estado