×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetFotosViagensTecnologiaVídeosEmpresas e EntidadesBairrosCultura

Ministério do Trabalho embarga obra do moinho da Isabela

Reunião de conciliação acontece na manhã desta quinta-feira, 5 de janeiro, em Caxias do Sul para que irregularidades sejam sanadas no local.

04/01/2017 11:34

O Ministério do Trabalho embargou parcialmente a obra de construção do novo moinho da Isabela na tarde desta quarta-feira, 4 de janeiro. Conforme a fiscalização, os funcionários da empreiteira S & N Engenharia e Construções Ltda, contratada para realizar o trabalho, estavam em perigo por falta de adequação de condições de trabalho. Foram apontados também problemas em alojamentos e na equiparação salarial dos trabalhadores.

De acordo com Vanius Corte, chefe regional do Ministério do Trabalho e Emprego, no local onde está sendo construído o moinho o risco era de queda dos trabalhadores e de materiais sobre eles. Foram paralisadas as áreas de deslizamento de ciclos, de desmontagem de equipamentos das formas deslizantes e da concretagem das vigas-anéis. Corte revela que 80% dos 200 funcionários não podem trabalhar. Além disso, a empreiteira S & N Engenharia foi notificada para garantir melhorias nos alojamentos que, conforme os fiscais, também está inadequado.

A Isabela, a S & N Engenharia e Construções, o sindicato dos trabalhadores e o Ministério do Trabalho se reúnem nesta quinta-feira, às 9h, para discutir medidas para solucionar os problemas. Pertencente ao grupo M Dias Branco, a Isabela investe quase R$ 200 milhões na construção de um novo moinho e duas linhas de produção de biscoitos e massas. As obras de fundação começaram no final de 2015 com previsão de duração de dois anos em meio.

Na manhã desta quarta-feira, 4, funcionários da S & N Engenharia foram impedidos de entrar nas dependências da obra do moinho da Isabela, por terem feito uma paralisação na terça-feira, 3, quando um funcionário havia sofrido um acidente de trabalho. Os funcionários acusam a empresa S & N Engenharia de oferecer condições insalubres de moradia, bem como diferença no pagamento de salários de empregados que exercem a mesma função e falta de material de segurança para trabalhar.

Empresas enviam notas de esclarecimento

No final da tarde, a direção da M. Dias Branco e da S & N Engenharia enviaram notas esclarecendo os fatos. Confira o que elas dizem:

A M. Dias Branco informa que é rigorosa na avaliação de empresas prestadoras de serviço. Exige o cumprimento da legislação trabalhista, previdenciária e de todas as normas regulamentadoras de saúde, segurança do trabalho e meio ambiente, prevendo, em caráter obrigatório, que o prestador forneça e utilize os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e Coletivo, necessários à preservação da integridade dos profissionais envolvidos. Estamos acompanhando a fiscalização do Ministério do Trabalho e tomaremos as medidas cabíveis, caso constatada alguma irregularidade.

M. Dias Branco S/A

A S&N Engenharia e Construção, responsável pelas obras de ampliação da fábrica da M. Dias Branco localizada em Bento Gonçalves, informa que, ao tomar conhecimento das queixas de um grupo restrito de funcionários, imediatamente tentou abrir negociação por meio do sindicato de trabalhadores local, sempre com o objetivo de detectar e corrigir possíveis falhas. Fornecemos e exigimos a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e Coletivo e zelamos pelo bem-estar de nossos funcionários, oferecendo instalações adequadas para repouso e refeições. De forma transparente, acompanhamos a fiscalização do Ministério do Trabalho e iremos seguir todas as orientações que porventura surgirem.

Por fim, ressaltamos que nossa empresa atua buscando desenvolver o trabalho com ética, transparência e zelando pela saúde de nossos funcionários, comunidade e meio ambiente.

S&N Engenharia e Construção

Fotos: MARCELO DARGELIO - Fonte: Marcelo Dargelio