×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaVídeosEmpresas e EntidadesBairrosCultura

PAIS EM ALERTA: Denúncias de creches clandestinas movimentam a fiscalização em Bento

De acordo com a Smed, várias situações já foram averiguadas durante a pandemia, período em que as escolas infantis permanecem fechadas no município

28/07/2020 09:28

As escolas infantis seguem de portas fechadas em Bento Gonçalves há mais de quatro meses, sem poder funcionar em virtude das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. Por outro lado, durante este período, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) tem recebido constantes denúncias de creches improvisadas que estariam funcionando clandestinamente em residências nos mais diversos bairros da cidade.

A Smed garante estar averiguando uma a uma as situações apresentadas. Até o momento, contudo, nenhum flagrante de irregularidade foi constatado pela pasta, que também conta com o suporte do Conselho Tutelar e da Guarda Civil Municipal nas ações de fiscalização.

Em um dos casos mais recentes, servidores da secretaria estiveram nesta terça-feira, dia 28, no bairro Santa Helena, em um local onde uma mulher estaria cuidando sozinha de pelo menos oito crianças e à espera de mais quatro bebês que seriam atendidos em sua casa. Em uma vistoria prévia, sem entrar na moradia indicada, nada de anormal foi observado pela equipe da prefeitura, que pretende voltar ao lugar com a GCM e conselheiros.

Esta última denúncia também foi repassada à reportagem do NB Notícias. No material encaminhado, além da localização da suposta escolinha ilegal, estava um print de uma mensagem enviada em um grupo e mais um áudio daquela que seria a proprietária do negócio: o conteúdo indica que a mulher estaria em busca de uma auxiliar para a tarefa diária, especialmente com a chegada das crianças menores.

Na gravação, ela revela atender crianças de um ano e meio a sete anos. "Como vai entrar bebê, requer mais atenção, né? Então, sozinha eu não consigo. Eu preciso de uma pessoa do horário das oito da manhã até as três horas da tarde. Eu vou ver se esse horário vai ser suficiente para mim, senão eu posso pegar até uma cinco e meia da tarde", diz, a outra interlocutora.

Na continuação, ela fala um pouco mais da rotina ligada à atividade para a qual busca uma funcionária. "Mas, assim, é bem tranquilo, porque eu sozinha, ontem, estava com oito crianças, sabe? Só que eu vou me apertar agora, porque vai entrar uns bebezinhos. E, assim, esse horário é muito corrido, porque eu arrumo café, faço o almoço. É por isso que eu tô contratando uma pessoa", conclui.

O que diz a Smed
A secretária-adjunta de Educação, Adriane Zorzi, que foi pessoalmente conferir a denúncia mais recente, ressalta que os responsáveis precisam estar atentos à oferta deste tipo de serviço, que pode colocar os filhos em risco. "Tem pessoas que se aproveitam deste momento em que as escolas estão fechadas e fazem esse atendimento cobrando menos, mas sem autorização e, principalmente, sem a estrutura adequada", ressalta. Ela salienta, entretanto, que, no caso de crianças da família ou próximas, seria autorizado o acolhimento diário de até cinco pequenos em casa, mas sem que o espaço funcionasse como um ambiente de recreação ou similar.

Entre as denúncias recebidas pela Smed, houve ainda acusações de que escolinhas particulares estariam funcionando de forma irregular em meio à proibição que vigora desde março em Bento. "Também fomos conferir todas estas denúncias e nenhuma escola estava trabalhando", frisa a secretária.

Fotos: Imagem Ilustrativa - Fonte: