×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaVídeosEmpresas e EntidadesBairrosCultura

Prédio do Centro Materno Infantil finalmente deve ser repassado ao município

Governo do Estado lançou o programa Negocia RS, por meio do qual pagará dívidas da Saúde com prefeituras através do repasse de imóveis. Em Bento, passivo é de cerca de R$ 4 milhões

25/06/2020 09:59

Batizado de Negocia RS, o programa que permite a dação em pagamento de bens imóveis do Estado para a quitação de débitos com os municípios na área da Saúde foi oficialmente lançado pelo governo na última terça-feira, dia 23. O objetivo é sanar R$ 466,4 milhões em valores não empenhados entre 2014 e 2018.

No caso de Bento Gonçalves, as pendências do Estado no período somam aproximadamente R$ 4 milhões. A alternativa já apresentada pela prefeitura, ainda em agosto de 2019, é o repasse definitivo do prédio que abriga atualmente o Centro de Referência Materno Infantil, na rua Dr. Casagrande, entre o Centro e a Cidade Alta.

O Materno já ocupa o espaço desde 2001. Antes disso, um posto de saúde funcionava no local. Em 2015, o Estado havia formalizado um Termo de Cessão de Uso para que o Poder Público bento-gonçalvense pudesse promover melhorias na estrutura.

Do Palácio Piratini, o governador Eduardo Leite e o secretário de Articulação e Apoio aos Municípios, Agostinho Meirelles, apresentaram a dezenas de prefeitos, por videoconferência, os detalhes do programa. “Sabemos que o ideal seria quitar em dinheiro, mas as condições do Estado não permitem. Mesmo assim, estamos mantendo o compromisso assumido início da gestão e, não apenas estamos pagando regularmente as parcelas dos mais de R$ 200 milhões empenhados entre 2014 e 2018, como não estamos atrasando mais os valores da Saúde. Tudo isso para garantir os serviços essenciais e o atendimento básico da saúde à população”, afirmou o governador.


Elaborada por diversos setores do Executivo em conjunto com a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), a proposta foi aprovada pelos deputados por unanimidade no final de janeiro e, desde fevereiro, está sancionada pelo governador (Lei nº 15.448/20). No dia 10 de junho, o Decreto nº 55.307, que regulamenta o programa, foi publicado, permitindo colocá-lo em prática. “É muito bom podermos estar levando a efeito hoje um programa que tem o objetivo de sanar dívidas e evitar um passivo, bem como evitar a judicialização, sobrecarregando o Poder Judiciário e criando enfrentamentos. Quem bom que conseguimos com diálogo, entre governo, prefeitos, Famurs e deputados, chegar a uma solução viável. Desejo que possamos continuar construindo juntos soluções e entendimentos, ainda mais necessários neste momento de crise, agravada pela pandemia”, argumenta Leite.

Nesse sentido, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, também salientou que o Estado pagou nesta quarta-feira, 24, mais uma parcela de R$ 13,5 milhões – a 13ª de um total de 16, que somam R$ 216 milhões em valores não empenhados de 2015 a 2018. Além de R$ 43 milhões referentes ao pagamento mensal a programas municipais de saúde, como Estratégia Saúde da Família (ESF), Política Estadual de Incentivo para Qualificação da Atenção Básica (Pies), entre outros. “Lá em janeiro de 2019, tínhamos a percepção de que a quitação dos valores não empenhados da Saúde seria o maior desafio do nosso governo. Por isso esse programa lançado hoje eu considero uma grande conquista e diria que é uma nova façanha”, pontua Arita.

Cem prefeitos interessados e 400 imóveis mapeados
O secretário de Articulação e Apoio aos Municípios, que coordenou a força-tarefa que resultou no Negocia RS, explicou todo o procedimento de adesão ao programa e destacou que o passo a passo, além de outras informações e a documentação necessárias, estão disponíveis em um site feito especialmente para o programa.

Além disso, Agostinho Meirelles afirmou que o Estado já mapeou mais de 400 imóveis localizados nos municípios e que a adesão pode ser feita individualmente ou na ordem de edital de chamamento ou coletiva. O fluxo do processo de adesão tem 12 etapas desde o protocolo do pedido encaminhado pelo município até a entrega do imóvel para a prefeitura que solicitou. “Após isso, o crédito vai entrar na conta dos municípios como um valor livre. Significa que não precisa ser utilizado na área da Saúde, o que acaba sendo importante para o fechamento de contas dos prefeitos”, destaca o secretário.

Conforme o presidente da Famurs, o prefeito de Palmeira das Missões, Eduardo Freire, mais de cem municípios já demonstraram interesse em aderir ao Negocia RS. Além de reforçar a importância do trabalho conjunto, destacou o fato de o programa ter sido lançado ainda no primeiro semestre do ano. “É um ano de fechamento de contas e, com o lançamento em junho, vai possibilitar a operacionalização dos trâmites ainda em 2020, beneficiando aos prefeitos interessados neste encontro de contas”, afirma Freire.

Participaram do lançamento, também, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ernani Polo, e o prefeito de Garibaldi, Antônio Cettolin, que era presidente da Famurs quando o projeto de dação foi aprovado, além de dezenas de prefeitos que acompanharam a transmissão pelo YouTube.

Fotos: - Fonte: