×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaVídeosEmpresas e EntidadesBairrosCultura

Serra consegue reverter a classificação do Estado e fica na bandeira laranja

Anúncio do governo gaúcho ocorreu na tarde desta segunda-feira, dia 29. Com a decisão, o comércio varejista não essencial pode permanecer de portas abertas em Bento Gonçalves e mais 48 municípios do entorno

29/06/2020 05:24

A região da Serra, formada por Bento Gonçalves e mais 48 municípios no modelo de Distanciamento Controlado do Governo do Estado, permanecerá mais uma semana na bandeira laranja, que permite a abertura do comércio varejista não essencial. Depois do anúncio preliminar de bandeira vermelha, divulgado na última sexta-feira, dia 26, o Executivo gaúcho acolheu os recursos apresentados pelos municípios e reviu a classificação.

O anúncio ocorreu na tarde desta segunda-feira, 29, em transmissão ao vivo comandada pelo governador Eduardo Leite. Entre os índices elencados como positivos em relação à semana anterior, Leite pontou a diminuição de 88 para 76 internações relacionadas à Covid-19 e a estabilidade no número de pacientes em UTI, que passou de 38 para 40. As macrorregiões de Palmeira das Missões e Erechim também conseguiram reverter o quadro, saindo da bandeira vermelha para a laranja.

Entre o domingo, 28, e esta segunda, o Gabinete de Crise analisou 67 recursos das cidades inconformadas com as determinações. "Tomamos sempre uma decisão técnica, analisando os dados nessa instância recursiva", salienta o governador. Ele ponderou, contudo, que mesmo com o aumento da capacidade hospitalar do Estado, se houver uma aceleração na disseminação do Coronavírus, a estrutura física e as equipes médicas não serão suficientes para comportar a grande demanda.

Durante a live, Leite também anunciou algumas mudanças nos protocolos, atendendo a pedidos de setores econômicos e de administrações municipais. A principal delas é a permissão, em caso de bandeira vermelha, para que o comércio varejista não essencial possa operar em modo eletrônico e por tele-entregas, mantendo a restrição no que se refere ao atendimento presencial.

Fotos: - Fonte: