×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetRegiãoViagensTecnologiaBairrosCulturaVídeosEmpresas e Entidades

Inteligência Artificial: já faz parte da nossa vida

Estamos preparados para entender o avanço da Inteligência Artificial?

09/12/2019 11:04

A Inteligência Artifical para muitos brasileiros é algo distante, futurista, porém, de alguma forma, encontramos ela em uma ligação para Call Center, nos mapeamentos que acontecem nas redes sociais ou na interação com aplicativos em nosso smartphone. Cada vez os resultados de nossas buscas são mais assertivos e nossas buscas mais previsíveis. Ou seja, vivemos o futuro que foi retratado em muitos filmes e desenhos de anos atrás. A capacidade de criar do nosso cérebro continuará se reinventando ?

Segundo a neurociência o cérebro humano avança na transformação da sua capacidade, cada vez que ele articula e cria tecnologias. Inevitavelmente a tecnologia é para facilitar, seja ela uma cortina, uma mesa, um garfo ou um computador.

Não existe tecnologia que não seja expressão do avanço de capacidade e vantagem do cérebro humano.


O quão próxima está a Inteligência Artificial de nós?

Ela já está entre nós, um exemplo é A.I aplicada nos medicamentos orgânicos, que decodificam o nosso dna e operam diretamente nas nossas células. Os retrovirais que tratam HIV são extremamente inteligentes, eles ainda não conseguem eliminar o vírus mas eles já conseguem deixar o vírus adormecido.

Inteligência artificial está entrando em nossas vidas via aparelhos e aplicativos | /Bigstock

Desde a revolução industrial, operamos com robôs programados digitalmente, hoje essa programação acontece de forma inteligente, automática e responsiva. Mesmo que isso represente 0.01% da operação e capacidade de uma A.I. esse modelo de atuação, já pode ser considerado como uma inteligência artificial, ou seja, a inteligência artificial já faz parte de nossas vidas, inclusive em nossas conversas de whatsapp ela se faz presente.

Nossa forma de se comportar pode se alterar?

Em partes, a pessoa pode aprimorar e começar articular estrategicamente o seu comportamento com a A.I, o que é muito bem vindo. Quanto mais cada indivíduo for sujeito e ator na ação, mais a inteligência artificial vai avançar. Ela não é um sistema de mão única é uma via de mão dupla  tudo isso é operado por seres humanos que acompanham os comportamentos de outros seres humanos e aprimoram essas tecnologias.

A mudança do nosso comportamento é muito bem vinda, não quando ficamos reféns e aprisionados por uma vigilância, mas quando a gente começa a aprender e articular com esses dispositivos.

Como lidar com ela ?

A Inteligência Artificial é algo que devemos nos preparar e capacitar para aprender como lidar com ela. Como todo novo aprendizado devemos planejar e estudar.

Existem barreiras culturais que podem impedir o avanço da A.I?

O que existe são resistências. Há culturas que resistem ao avanço da tecnologia. Em geral o ser humano é muito conservador, não é natural da nossa espécie a transgressão e a inovação. Por isso que precisamos fazer um esforço, uma força física, algo que nos move para a inovação e a criatividade.

Nós seres humanos buscamos a conservação, a manutenção até porque isso facilita com que tenhamos o controle. Nós somos uma resistência para qualquer tecnologia, não só a inteligência artificial. Então esse tipo de mentalidade, obviamente, pode gerar uma resistência a A.I, mas não vai impedir o avanço dela. Ela já é desenvolvida por cientistas voltada para esse desenvolvimento, organizações vão adaptar, torná-la comercializável e colocá-la no mercado em infinitas áreas.

As fabricantes de automóveis, o Google e a Uber, entre outros, estão acelerando o passo para oferecer a venda de carros autônomos, “sem motorista”, cuja condução também será feita com inteligência artificial.
Esta tecnologia também será aplicada nos supermercados para identificar automaticamente o conteúdo dos carrinhos, sem a necessidade de passar as compras pelo caixa .

Teremos robôs nas casas e nos carros autônomos, mas também nas estações de trens, nos hospitais e na cidade em geral, o que poderia incluir robôs ou dispositivos para melhorar a mobilidade dos deficientes visuais,.
Nossas casas e os espaços públicos se tornarão inteligentes para aumentar nossa segurança, nossa saúde, nossa produtividade. Um sistema de sensores, por exemplo, pode monitorar um paciente de hospital 24 horas por dia, ou permitir que pessoas idosas permaneçam em suas casas com melhor vigilância médica. Esses sistemas são capazes de ver e de aprender como os humanos graças aos algoritmos e a uma capacidade de cálculo informática que analisa e interpreta rapidamente enormes quantidades de dados.

Um exemplo disto vem da IBM, cujos sistemas de supercomputadores Watson estão oferecendo programas de “saúde cognitiva” que podem analisar o genoma de uma pessoa e oferecer tratamento personalizado para o câncer, por exemplo. O Google usa um algoritmo que consegue detectar sinais de retinopatia diabética, uma causa de cegueira, através da análise de imagens de retina. Tanto o Facebook como a Microsoft apresentaram utilizam sistemas capazes de apontar para imagens e descrever seu conteúdo para pessoas cegas."

É tudo assustador, mas isso já está acontecendo, e temos que estar prontos termos um futuro em que as máquinas inteligentes estarão onipresentes em nossa vida cotidiana.

Fotos: divulgação - Fonte: divulgação