×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoComer e BeberModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetFotosViagensTecnologiaEmpresas e EntidadesBairrosCulturaVídeos

Você pagaria R$ 22 mil por um robô que faz sexo?

Sim, tecnologia já está disponível no mercado e é sucesso mundial de vendas. Novidade divide opiniões mundo afora.

01/03/2019 09:38

A indústria erótica está cada vez mais em sintonia com as tendências tecnológicas. Brinquedos sexuais inteligentes que funcionam e conectados aos smartphones e até camisinhas smart são alguns dos projetos que vêm sendo desenvolvidos atualmente. Confira a seguir algumas tecnologias voltadas para a vida sexual que são realidade ou já estão em produção. Entre elas estão os robôs sexuais, que contam com inteligência artificial, dispositivos hápticos, para simular o toque humano, entre outros.

Os robôs inteligentes programados para fazer sexo já são uma realidade. Por enquanto, esses humanoides custam caro, com preço mínimo de US$ 6 mil, algo em torno de R$ 22,5 mil em conversão direta. O valor elevado é justificado por conta do material que simula o corpo humano com bastante fidelidade. Em alguns casos, eles chegam até a contar com batimentos cardíacos, como é o caso da boneca Roxxxy. Há ainda modelos, como a Harmony, da Realbotix, que contam com inteligência artificial avançada, sendo capaz de contar piadas, conversar e até ter uma personalidade própria, como tímida ou falante.

Para a indústria erótica, a perspectiva é que os robôs não sejam apenas brinquedos sexuais, mas também companheiros para pessoas solitárias. A Harmony, por exemplo, pode fazer perguntas como “qual seu filme favorito?”, e lembrar da resposta no futuro, como em uma conversa entre dois humanos. Além disso, a boneca pode gravar datas importantes e fazer perguntas filosóficas para quebrar o gelo.

Robô Harmony conta com inteligência artificial para interações — Foto: Divulgação/Realbotix

Por conta disso, os robôs com inteligência artificial são alvo de uma polêmica, com relação aos seus direitos. Há quem defenda que eles sejam tratados como humanos, inclusive no que diz respeito ao consentimento sexual. As implicações éticas sobre isso estão apenas começando, mas prometem dividir opiniões em um futuro breve.

Vibradores Smart são outra novidade

Os brinquedos sexuais também já são encontrados em versões inteligentes. Existem modelos que podem ser sincronizados com o smartphone e oferecem funções como ativação à distância, controle de intensidade, vibração em sincronia com músicas, entre outros. Um dos produtos mais interessantes é o We-Vibe Sync, que deve ser usado durante o sexo e estimula tanto a mulher quanto o homem. O dispositivo é à prova d'água e possui bateria recarregável com duração de até uma hora.

Vibrador We-Vibe Sync é um brinquedo feito para casais — Foto: Divulgação/We-Vibe

Já o Osé, da Lora DiCarlo, é diferente por não usar vibração como outros brinquedos sexuais. Em vez disso, ele conta com peças mecânicas que simulam a sensação da língua e dos dedos. Criado após diversos estudos com micro-robótica, o Osé foi concebido por uma equipe composta apenas por mulheres.

Lora DiCarlo Osé causou polêmica na CES 2019 — Foto: Divulgação/Lora DiCarlo

Fotos: Divulgação - Fonte: Divulgação