×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoCucina NBModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetFotosViagensTecnologiaVídeos

Conhecendo um pouco mais a cidade imperial

Chegando a Petrópolis, no Rio de Janeiro, é possível voltar no tempo e conhecer algumas curiosidades da época do império brasileiro.

25/08/2019 03:43

Petrópolis é uma das principais cidades turísticas da serra fluminense, fazendo fronteira com outro destino importante da região: Teresópolis . E, assim como sua vizinha, a "Cidade Imperial" tem muito a oferecer para os seus visitantes.

A começar pela a história: o apelido da cidade foi cunhado pelo ex-presidente João Figueiredo graças ao papel de Petrópolis durante a formação do Império Brasileiro. De acordo com a Secretaria de Turismo, a região onde a cidade cresceu impressionou D. Pedro I durante suas viagens ainda nos anos 1820, e o então imperador compraria uma fazenda na região.

Com o tempo, o município passou a se desenvolver e chegou a virar até capital. "D. Pedro II fez dessas terras sua cidade de veraneio. Fundada por ele, Petrópolis já foi capital do Império e centro da atenção nacional", relata a Secretaria de Turismo da Cidade Imperial . E essa história se mostra para os turistas por meio de belas construções como o Palácio de Cristal, onde ocorrem exposições e eventos, ou então o Museu Imperial e o Palácio Rio Negro.

Essas atrações, aliadas às fábricas cervejeiras de marcas como a Bohemia e às áreas verdes que pontilham o mapa da cidade, como o Parque Natural Municipal, renderam a Petrópolis uma posição no topo do ranking turístico do Brasil. "Petrópolis ocupa o topo do ranking do turismo nacional, com a categoria 'A' no Mapa do Turismo Brasileiro, do Ministério do Turismo. Com opções para todo tipo de turismo, a cidade conta com 26 instituições museológicas", lembra a Secretaria de Turismo.

 A cidade conta com inúmeras atrações históricas, que podem ser visitadas ao longo de apenas um dia de viagem. Excelente para fazer um bate e volta. Considerando que o comum para uma viagem de um dia é chegar no destino bem cedinho, a primeira dica é parar para saborear a comida alemã da Casa do Alemão, que fica um pouco antes do pórtico de entrada da cidade imperial.

Cerca de 2km depois do pórtico está o complexo Quitandinha, que consiste principalmente no Centro Cultural do Sesc-Rio e no lago Quitandinha, ambos abertos para visitação, com direito a estacionamento gratuito. Assim, pode-se caminhar às margens do lago, conhecer o prédio e até aproveitar para andar de pedalinho. Do outro lado do Complexo, há o Parque Cremerie, cuja entrada é gratuita. Falando em entrada gratuita, é possível visitar também o Museu Casa do Colono, que fica ali perto, sentido centro.

Museu Casa do Colono

Depois de passar pelo Museu Casa do Colono, vale seguir sentido centro mesmo, para conhecer os principais polos comerciais da cidade: a Rua Teresa (conhecida pela variedade de roupas e tecidos) e a Rua do Imperador (que conta com lojas, bancos e mercados).

Da Rua do Imperador, é possível chegar a pé até a Rua da Imperatriz, onde as principais atrações são a Praça Dom Pedro, que se destaca pela paisagem, e o Palácio Amarelo, um dos lugares mais históricos da cidade. É, inclusive, a atual câmara dos vereadores.

Saindo do Palácio Amarelo, do outro lado da rua fica o Museu Imperial, o principal ponto turístico da cidade inteira, uma vez que ele foi o Palácio Imperial. A entrada no museu custa R$ 10. Estudantes, professores e idosos pagam R$ 5.

Museu Imperial

Se o café da manhã na Casa do Alemão não tiver sido o suficiente, você pode aproveitar para conhecer o Duetto’s Café e Bistrô, instalado nos próprios jardins do Museu Imperial.

Deixando o Museu Imperial, a mesma rua leva à Catedral de São Pedro de Alcântara, que foi construída em 1920. Dentro da catedral está o Mausoléu Imperial, com os restos mortais do Imperador Dom Pedro II e da Imperatriz Teresa Cristina.

Após conhecer a catedral, a próxima parada é na Igreja Luterana, de 1863, localizada na Avenida Ipiranga. Bem próximo da igreja fica a histórica Casa Ipiranga, com o relógio mais antigo da cidade. Nos jardins da casa, há um bistrô bem conceituado chamado Bordeaux, para fazer um almoço delicioso. 

Cruzando a rua, é possível se deparar com o Parque Natural Municipal, cheio de verde, o local ideal para relaxar antes de retomar o passeio. O primeiro destino depois dessa pausa no parque, é o Palácio Rio Negro, que já foi a residência de verão da presidência da república. Fica na Avenida Koëller, em meio a vários monumentos históricos. A visita é gratuita.

Fachada do palácio rio negro e estátua

Já a Praça da Liberdade (que é na própria região onde fica o Palácio Rio Negro) conta com várias atrações turísticas para passar o resto da sua tarde: a Universidade Católica, o Relógio de Flores e a Praça 14 Bis, com entrada gratuita, além do Museu de Cera com entrada a R$ 48 a inteira e R$ 24 a meia e o Museu Casa Santos Dumont, com ingresso a R$ 5.

Depois da Praça da Liberdade, um dos últimos pontos turísticos a ser visitado é o Palácio de Cristal, na Rua Alfredo Pachá. Ele foi inaugurado em 1884, e é palco de exposições e eventos.

Com o passeio chegando ao fim, resta conhecer a Cervejaria Bohemia, localizada perto do Palácio de Cristal, na Alfredo Pachá. Trata-se de um museu que conta a história da cerveja e ainda permite degustação por parte dos visitantes. A entrada custa R$ 39. Estudantes pagam meia, e menores de idade não pagam, mas devem entrar acompanhados de um responsável.

Cervejaria Bohemia

Fotos: Divulgação - Fonte: Divulgação