×SegurançaGeralViver BemCasa e DecoraçãoCucina NBModa e EstiloVeículosQuem somosEsporteSeu PetFotosViagensTecnologiaVídeos

Sustentabilidade e tecnologia que salvam vidas

Setor de Hemodiálise do Hospital Tacchini é referência na Serra Gaúcha e adota procedimentos que melhoram ainda mais o atendimento a pacientes.

08/08/2019 10:28

Um dos grandes serviços oferecidos pelo Hospital Tacchini, além do atendimento dos casos de câncer, é a assistência aos pacientes que enfrentam problemas renais. O Setor de Hemodiálise do Hospital Tacchini é referência de atendimento para as cidades de Bento Gonçalves, Monte Belo do Sul, Pinto Bandeira, Santa Tereza, Garibaldi, Carlos Barbosa, Boa Vista do Sul e Coronel Pilar. A cada três dias, os 74 pacientes que atualmente realizam sessões de hemodiálise ficam conectados aos equipamentos por, no mínimo, 4 horas em cada atendimento.

De acordo com a médica nefrologista Marli Tramontina, responsável pelo setor de Hemodiálise, a relação com alguns pacientes já dura mais de 30 anos, o que acaba gerando um ambiente familiar com os profissionais da equipe assistencial. “A grande maioria chega através da rede pública e alguns até vem na mesma van, o que acaba criando afinidade, também, com as equipes das prefeituras. Aqui, são acolhidos por nossas equipes e essa rotina acaba se transformando em novas amizades”, relata dra. Marli.

Nos bastidores, porém, há um outro trabalho essencial que garante a saúde dos pacientes e que só quem o realiza tem noção da sua importância. Hoje o Hospital Tacchini possui um sistema informatizado de manutenção corretiva e preventiva para gerenciamento do seu parque de equipamentos, incluindo as 23 máquinas de hemodiálise. “Mensalmente executamos as manutenções preventivas de todos os equipamentos de hemodiálise, garantindo a funcionalidade das máquinas e reduzindo custos. Os trabalhos são realizados por técnicos especializados, devidamente treinados pelos fabricantes, para fazer os devidos reparos”, explica o eletrotécnico Fabrício Cantoni, que atua na parte de Engenharia Clínica do Hospital Tacchini.

Além dos equipamentos, o setor é responsável por cuidar da estação de tratamento de água, outra parte indispensável à Hemodiálise. “A unidade utiliza mensalmente 290 mil litros de água. No entanto, somente 174 mil litros viram água de osmose nos padrões que a Anvisa exige. A parte rejeitada pelo equipamento é aproveitada na lavanderia do hospital”, explica Cantoni. “São 116 mil litros que poderiam ser jogados na rede pública e que reaproveitamos com a mesma qualidade necessária. Temos informações que em alguns hospitais esse volume todo de água é colocado fora”, relata.

Como funciona: A água chega da caixa d'água e vai para um pré-tratamento, passando por um conjunto de bombas que pressurizam a rede e por filtros que retiram todos os metais pesados e demais toxinas, retendo todas as partículas existentes. Cantoni explica que a água que vem da rede pública, embora seja potável, ela não é uma água estéril, própria para o uso nas máquinas de hemodiálise. Depois que a água passa pelo sistema de osmose, a mesma vai para um tanque de armazenamento de 3000 litros, sendo bombeada para a sala de hemodiálise onde as máquinas são conectadas.

O eletrotécnico revela que toda a tubulação é feita de um material importado chamado PEX, sendo o Hospital Tacchini o primeiro hospital na região a utilizar essa tecnologia. Todo esse sistema é auditado por uma empresa devidamente registrada que a cada 30 dias realiza vistorias. “Esse material, além de não utilizar produtos químicos em suas emendas, possui porosidade muito reduzida, evitando a proliferação de bactérias. Os demais hospitais ainda utilizam tubulação de PVC”, lembra Cantoni. 

Fotos: Divulgação - Fonte: Divulgação